terça-feira, 18 de setembro de 2007

Gritos de silêncio

Ouço dentro de mim
Gritos de silêncio
Silêncio sufocante que não ousa pronunciar um só som
E que só pela falta de ruídos já me dói a cabeça
Dói o peso do nada, do vácuo.
Não! Não! Não!
Não é isso que quero pra mim!
Não quero ficar em silêncio!
Eu PRECISO falar
Mesmo que ninguém queira me escutar
Pois o silêncio corrói lentamente a esperança
Faz com que o sonho não passe de uma lembrança
É o silêncio que faz com que o que dizem por aí de que "palavras doem mais que o silêncio" pareça um absurdo
O silêncio dói mais
Há situações que o silêncio é insuportável
Não me refiro ao som que sai de nossas bocas
Falo do som que bombeia junto com o coração
Esse som incessante que está a todo momento nos falando o que realmente sentimos, mas, que muitas e muitas vezes, não passa da garganta
E se perpetua o silêncio
E se perde nos pensamentos
E se materializa no papel
E se queima junto com tudo o que não é "aceitável"
E o silêncio reina. Absoluto.
Como se fosse regra as palavras viverem de luto.

Um comentário: